4.4.16

Crítica: Os Oito Odiados

Os Oito Odiados


Filme de Quentin Tarantino conta a história do major Warren, interpretado por Samuel L.Jackson, quando este pede uma carona até a “Casa da Minnie” para John Ruth (Kurt Russell), Ruth está levando a criminosa Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh) para a cidade de Red Rock para o recolhimento de uma recompensa.

A obra é típica de Tarantino, em todos os aspectos, diálogos ótimos e bem construídos, com a podolatria, e as referências a filmes dele mesmo, o personagem de Samuel L.Jackson em Pulp Fiction pode ser descendente do major Warren que está neste filme, assim como o personagem de Michael Madsen pode ser descendente do Mr.Blonde de Cães de Aluguel.





Alguns aspectos da trama também lembram outros filmes de Tarantino, as várias cenas violentas remetem a Kill Bill, o filme se passa basicamente em um lugar só, que é a casa da Minnie, assim como “Cães de Aluguel” se passa basicamente no armazém.

Mas a projeção é muito mais que isso, ela apresenta atuações impecáveis de todo o elenco, com destaque para Leigh que está soberba como Daisy Domergue, a voz, jeito de andar e o comportamento foram construídos especificamente para a personagem. L.Jackson também merece elogios pela sua atuação, assim como Channing Tatum que em sua breve aparição conquista o espectador com um personagem cativante e Tim Roth remete aos personagens de Christoph Waltz em Bastardos Inglórios e Django Livre.

E, uma atmosfera fechada foi construída, uma homenagem do cineasta a filmes como “Festim Diabólico” que se passa em um quarto de apartamento, e a "12 homens e uma sentença" que se passa em uma sala de tribunal. Essa atmosfera também tem um aspecto sociológico, são oito personagens, uma mulher, um negro, um latino, e esses três tem um final ruim, o que expõe que infelizmente na atual sociedade o mundo é a atmosfera anacrônica na qual o filme foi filmado, e que as minorias que citei acima na maioria das vezes é prejudicada pelo sistema que favorece aos ricos, brancos e heterossexuais.

Por fim, a obra faz referências ao livro “O Caso dos dez negrinhos” pois assim como na história de Agatha Christie, os personagens não confiam uns nos outros e todos se investigam. Este “Os oito odiados” tem em seu título uma metalinguagem com a obra do próprio diretor, já que este é oitavo filme de Tarantino, um dos diretores com mais conteúdo, estudo e claro vontade de mostrar tudo isto em seus filmes. A projeção encanta por sua metalinguagem e história fascinante. E Tarantino se supera mais uma vez.

Um comentário:

  1. Filmaço, filmasso, filmaxo huhahahah. Imagina assistir em película, como ocorreu nos eua em algumas seções 😍

    ResponderExcluir