13.1.16

Crítica: Todos os Homens do Presidente

Todos os Homens do Presidente


Filme dirigido por Alan J.Pakula, e que conta a história do caso Watergate, que para quem não sabe, foi um assalto ao complexo Watergate nos EUA, que fazia parte do comitê democrata, na intenção de grampear o lugar, o assalto foi conectado ao presidente Nixon, que após a publicação da matéria, renunciou ao cargo.




Os jornalistas que expuseram o cargo foram Bob Woodward e Carl Bernstein, interpretados por Robert Redford e Dustin Hoffman de maneira respectiva, a obra mostra justamente o trabalho que os dois tiveram até a matéria final. E que trabalho árduo, eles foram objetivos e respeitaram o off e as fontes, principalmente aquela que chamaram de “Garganta Profunda” e sendo assim exemplificaram como o jornalismo deve ser: ético. As perguntas feitas pelos dois eram claras e pragmáticas, as ligações eram feitas com vontade, as entrevistas face a face foram realizadas com um ardor incrível.

E as entrevistas levam este texto aos aspectos técnicos, o entrevistado sempre ficava do lado esquerdo da tela que é considerado o mais fraco, o que expõe as ameaças que cada um deles sofreu, e eles sempre ficavam em destaque, o que denota duas coisas: a primeira é que o ator que fazia o entrevistado tinha tempo de tela para desenvolver a atuação e o personagem, e a segunda é que como foi ensinado a mim em uma aula de técnicas de entrevista, entrevista boa é aquela em que o jornalista não aparece, quem aparece é apenas o entrevistado.

A fotografia, do mestre Gordon Willis, merece um absurdo destaque, pois mostra tudo de forma excepcional, desde a agitação do Washington Post até a escuridão dominante das conversas com “Garganta Profunda” a fonte mais importante de todo o filme. As atuações dos dois jornalistas foram soberbas e Redford e Hoffman merecem todos os méritos, e destaco o personagem interpretado por Jason Robards, que é o editor chefe do jornal, Ben Bradlee, mostra porque este nome é tão grande no jornalismo, homem corajoso, porem cauteloso, ambicioso e claro, louco para expor um dos maiores casos de corrupção política mundialmente conhecidos.

“Todos os Homens do Presidente” mostra como o jornalismo foi idealizado, para levar as pessoas a pensarem em tudo, desde em quem votam, até se o prato que comem foi preparado da maneira correta, o filme expõe o jornalismo da maneira que deve ser feito, com ética e vontade de mostrar ao mundo coisas que ninguém sabe, por isso a profissão é apaixonante. Que os princípios destacados neste paragrafo voltem a reinar.

P.S: A cena inicial do filme foi uma das grandes decisões tomadas pelo diretor, começar com a repercussão da reportagem no presidente Nixon, a renuncia dele.

P.S2: O título aqui está com as letras iniciais de cada palavra por um bom motivo, não apenas um vício de linguagem deste escreve, “Homens” quer dizer o estado e “Presidente” quer dizer não apenas Nixon, mas todos que tem por aí e “Todos” bom, acho que vocês entenderam...

Um comentário:

  1. Ouvi falar muito bem , vou assistir depois deixo minha opinião.

    ResponderExcluir