5/30/2022 09:47:00 PM

Jurassic World Domínio, filmes não feitos para mim e videogames

Jurassic World Domínio, filmes não feitos para mim e videogames

Jurassic World Domínio

I

Enquanto eu assistia “Jurassic World: Domínio” o aparente último capítulo da famosa franquia de dinossauros, eu pensei constantemente em como esse filme e todos os outros da saga não foram feitos para mim. Eu odeio isso, não existe tal coisa de “filmes feitos para mim”, não existe arte sob medida, mas infelizmente, o pensamento se adequa perfeitamente dentro de mim.

As 2h27 se desenrolaram e eu achei injusto escrever uma crítica de fato, pois uma crítica negativa de um filme que eu não gostei e que eu claramente não sou o público-alvo é algo que apenas afastaria as pessoas do cinema e talvez da arte em geral. Eu não quero desenvolver tal afastamento.

O ideal é que a arte seja ponte e não um muro, mais ideal ainda é quando se tem acesso a ela desde cedo – impossível no Brasil atual. Não importa a forma artística a qual se consuma, ela ajuda no desenvolvimento e crescimento de uma pessoa, por isso que é impossível ter coisas “feitas para mim”.

Porque o “feito para mim” na maioria das vezes não vai servir para o outro e quando serve, dois pontos de vista muitas vezes opostos são construídos a partir de um mesmo material. Se as cenas de “Jurassic World Domínio” me causassem algum tipo de sentimento, seja ele bom ou ruim, já seria um ponto de vista diferente de outros apenas por existir. 

Usar esse termo como motivo para dizer não ter gostado de um filme é errado ao meu ver. O audiovisual talvez seja a forma mais fácil de incluir pessoas dentro de um meio, uma sensação de pertencimento fora de sua casa e o cinema constrói, a partir de si mesmo, outras coisas que também causam essa sensação. 

Lego Jurassic Park

II

Para outra pessoa, filmes como este podem funcionar e no caso, o foco é naqueles que eu acho que sejam o público-alvo: crianças. Quando eu revi todos os filmes como preparação para esse último, eu achei a maioria (com exceção do primeiro) chatos, porque eles eram direcionados a crianças que são, em geral, quem costuma gostar de dinossauros.

Então faz sentido um adulto não gostar e no caso dos que gostam, eles gostarem por nostalgia e não porque o filme é de fato bom, ele apenas lembra coisas boas. O que deveria ser mais importante para decidirmos se gostamos ou não de algo, é como esse algo nos toca, o que nos faz sentir, o gatilho sentimental causado em nós pela obra.

No meu caso o sentimento foi de saudade. Sempre joguei videogame e após ter trocado do ps2 para Xbox 360 uns anos atrás, os jogos que adaptavam filmes e/ou quadrinhos para aventuras em lego sempre me atraíram. Alguns jogos baseados em filmes são bem chatos (assim como o material original), mas outros são muito divertidos, os do Jurassic Park são os mais legais.

Passei todos os minutos de todos os filmes lembrando das fases e do que era necessário fazer para passá-las e em como era divertido jogar. Os jogos de lego são muito mais legais de jogar em dois jogadores, pois as fases ficam mais fáceis devido as funções e tarefas que cada um pode fazer controlando seu personagem.

Em jogos de lego, há uma série de tarefas dentro das fases que precisam ser cumpridas, para adultos é algo meio bobo e até automático, para crianças é um aprendizado ingênuo e fofinho. Os objetivos para passar de fase envolvem montar coisas com base nas peças que aparecem quanto mais o cenário é destruído, peças que viram chaves, armas e coisas diversas que ajudam a seguir em frente no jogo.

Lembrei do quanto eu era feliz jogando esses jogos no Ps2 quando pequeno e o quanto eles me fizeram lembrar de coisas depois de adulto jogando no xbox 360. É estranho pensar que o fato de eu ainda gostar desses jogos é justamente pela nostalgia que eles me trazem, assim como disse que ocorre com os fãs adultos da franquia Jurassic Park.

Acredito que a nostalgia atinge as pessoas de maneira diferente, se no caso de muitos são esses filmes novos originados de clássicos dos anos 80 ou 90, para outros são esses jogos em lego. Não importa o que seja, o importante é o que se sente e o que se identifica dentro de si mesmo quando algo assim acontece.

No caso de “Jurassic World: Domínio”, como não joguei o jogo em lego (e nem irei provavelmente), eu adaptei em mim mesmo o relembrar das fases dos filmes passados para o imaginar como seriam as fases desse filme novo e isso fez da minha experiência um pouco melhor, não foi nada demais, nada que transformasse o filme dentro de mim, mas ao menos serviu como uma boa distração depois de uma semana difícil.

Foi fácil imaginar como as fases do novo filme funcionariam dentro desse universo de jogos infantis, pois a lembrança está muito viva em mim. Imaginei que em alguns momentos do jogo, teria que quebrar o cenário todo em busca de peças para montar, em outros, teria que jogar com o personagem capaz de pular mais alto e abrir a porta para o outro acionando o botão.

E principalmente, que independente da fase e do momento do filme, seria muito mais legal jogar com alguém.

Lembranças são uma máquina do tempo pessoal, onde cada um de nós volta dentro de nós mesmos para momentos que não viveremos mais e tentamos recriar constantemente, com outras pessoas, com experiências parecidas, nos enganando o tempo todo que seremos capazes de voltar a lembrança, quando na verdade, estamos criando novas lembranças e alimentando cada vez mais a nossa máquina particular.

Então foi inevitável isso não voltar dentro de mim e não lembrar de jogos que zerei sozinho. Como disse acima era muito mais legal jogar acompanhado, hoje ter essa companhia de alguém para jogar é impossível, não apenas por trajetórias e mudanças de vida, mas também porque não tenho mais o videogame.

Às vezes é bom voltar no tempo, mesmo que seja com lembranças que em algum momento foram bons dias concretos e hoje em dia são apenas devaneios de algo finalizado que buscamos recriar assim como cozinheiros amadores tentam recriar pratos no Masterchef. O ruim é quando o filme acaba e você tem que esquecer disso novamente. Uso o texto para despejar isso e a única coisa que pode ficar dessa experiência é a saudade de ter um videogame relativamente novo para jogos mais atuais.

Como diria Elena Ferrante “Para escrever é preciso desejar que algo sobreviva a você”, infelizmente eu descobri que ainda tinha essas lembranças dentro de mim e se por um lado é bom lembrá-las e refletir sobre elas para melhorar como pessoa, por outro eu completo a citação de Ferrante, “Já eu não tenho nem mesmo a vontade de viver, nunca a tive tão forte quanto você. Se pudesse me apagar agora, enquanto estamos falando, ficaria mais que contente. Imagine se vou começar a escrever.” É, imagine se vou começar a lembrar. 

5/09/2022 08:17:00 PM

Crítica: O Homem do Norte

Crítica: O Homem do Norte

O Homem do Norte
Imagem: Universal Pictures / DIVULGAÇÃO


 “Você já é muito grande para uma saudação de criança, Príncipe Amleth. Mas, nunca será muito crescido para que eu o saúde como pai, me dê um abraço”. Essa fala de Ethan Hawke para seu filho em “O Homem do Norte”, novo filme de Robert Eggers, dá a entender que teremos um filme diferente do qual estamos acostumados com o diretor. Um filme onde a redenção vem através do afeto.

Aqui, vemos afeto de uma pessoa para a outra, ao contrário de “A Bruxa” que começa com uma expulsão e “O Farol” que inicia com delimitações de trabalho após a chegada dos dois homens na ilha. Porém, o filme que vemos é a clássica história de vingança, onde um homem, cego de ódio, precisa se vingar a todo custo.

4/16/2022 07:49:00 PM

SIFF 2022: Juju Stories

SIFF 2022: Juju Stories

Juju Stories
Imagem: DIVULGAÇÃO

Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Seattle

This critic is part of SIFF 2022 coverage

Em “Juju Stories”, vemos três histórias que se passam em Lagos, na Nigéria, dirigidas por Michael Omonua, Abba Makama e C.J Obasi. Nessas histórias acompanhamos pessoas em busca de coisas básicas para a vida, como amor, amizade, dinheiro e como essa procura traz consequências de uma maneira ou de outra. As histórias são "Love Potion", dirigida por Omonua, "Yam" dirigada por Makama e "Suffer the Witch" dirigida por Obasi.

Quando você não tem algo que quer com a pessoa que gosta, você imagina isso na sua cabeça e cria expectativas que não são cumpridas pois as suas expectativas são apenas as suas, não a do outro. Então você para de gostar da pessoa, não apenas por culpa dela, mas também por culpa sua. Michael Omonua mostra bem isso no primeiro conto do filme, que se chama Love Potion. Ao se apaixonar por um homem, Mercy faz uma poção do amor para conquistá-lo, mas ela não queria ele, ela queria a ideia que criou dele.

4/14/2022 12:00:00 AM

SIFF 2022: Wildhood

SIFF 2022: Wildhood

Wildhood
Imagem: DIVULGAÇÃO

Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Seattle

This critic is part of SIFF 2022 coverage

Logo no início de “Wildhood” somos inseridos em um universo de violência. Conhecemos Lincoln e seu irmão Travis, quando os dois são pegos pela polícia e presos após tentarem roubar algo, apanham dos policiais e assim que chegam a delegacia e seu pai vai busca-los, apanham do pai também.

Pensamos no que virá a seguir no filme dirigido por Bretten Hannam e esperamos que seja algo também violento e provavelmente situações de dor vividas por esses dois irmãos, principalmente se pensarmos que Lincoln tem origem indígena. Mas acompanhamos a trajetória desse quando ele descobre que sua mãe está viva e decide procurá-la, após o pai dizer por anos que ela havia morrido.

4/05/2022 08:45:00 PM

Crítica: Animais Fantásticos - Os segredos de Dumbledore

Crítica: Animais Fantásticos - Os segredos de Dumbledore

Animais Fantásticos - Os segredos de Dumbledore
Imagem: DIVULGAÇÃO / Warner

“Vai chegar um momento em que você terá que escolher entre aquilo que é certo e aquilo que é fácil”. Essa frase é dita por Alvo Dumbledore no final de Harry Potter e o Cálice de fogo e significa muito para o protagonista nos filmes a seguir, fazendo-o seguir seu caminho sempre com essa dúvida.

Essa frase também é dita por um jovem Dumbledore em “Animais Fantásticos: Os segredos de Dumbledore”, dessa vez para um personagem não tão importante. Sendo assim, o diretor David Yates (que dirigiu alguns dos filmes da saga principal) não apenas conhece a citação como a desobedece: ele, em sua direção, escolheu o que era fácil.

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger