23.10.19

Crítica: O Jovem Ahmed

Crítica: O Jovem Ahmed
O Jovem Ahmed
Imagem: Imovision / DIVULGAÇÃO
Da mesma forma que hábitos bons, independente de quais sejam, podem ser ensinados a crianças e absorvidos por elas, coisas ruins também podem ser ensinadas e desenvolvidas.

Porque Ahmed, jovem de 13 anos protagonista do novo filme dos irmãos Dardenne (que se chama "O Jovem Ahmed") é uma criança muçulmana que vai à mesquita com frequência e ao escutar as coisas que o imã diz, deduz que sua professora é uma pecadora e decide matá-la.

22.10.19

Crítica: Frankie

Crítica: Frankie
Frankie
Imagem: Paris Filmes / DIVULGAÇÃO
Assistir “Frankie”, dirigido e co-escrito por Ira Sachs, é um exercício de pensar nas separações pelas quais todos nós passamos na vida. Nessas situações apenas podemos lidar com as coisas, não temos controle, sempre acontece e provavelmente sempre vai acontecer.

A personagem título é uma das várias pessoas que tentam controlar as diversas separações da vida, não apenas as dela, mas também as das pessoas ao seu redor, inclusive no que diz respeito a sua morte. Ela está morrendo e convida sua família para ir passar um tempo na bela cidade de Sintra em Portugal, assim seus dois filhos Sylvia (Vinette Robinson) e Paul (Jeremie Renier), seu marido Jimmy (Brendan Gleeson), seu ex-marido Michel (Pascal Greggory) e sua neta Maya (Sennia Nanua), atendem o pedido dela.

21.10.19

Crítica: A Vida Invisível

Crítica: A Vida Invisível
A Vida Invisível
Imagem: Bruno Machado / Vitrine Filmes / DIVULGAÇÃO
“O nascer do sol não dura a manhã inteira, uma chuva não dura o dia inteiro, parece que meu amor está no fim e te deixou sem avisar, não será sempre tão cinza assim”. Esse trecho de “All things must pass”, música de um dos álbuns solo de George Harrison, descreve bem a primeira cena de “A Vida Invisível”, filme dirigido por Karim Ainouz e escrito por Murilo Hauser, Inés Bortagaray e pelo próprio Ainouz.

Pois o amor das duas irmãs uma pela outra sempre parece estar no fim, mas nunca acabará, por mais que fique cinza as vezes, ou melhor, nublado, como é a cena citada no paragrafo anterior. Esse sentimento é frequente pois Eurídice (Carol Duarte) e Guida (Julia Stockler) foram separadas.

18.10.19

Crítica: Wasp Network

Crítica: Wasp Network
Wasp Network
Imagem: RT Features / DIVULGAÇÃO
Se tem alguém que é bom em fazer cinema atualmente, esse é o francês Olivier Assayas. Dono de uma filmografia variada, que vai de documentários, a filmes sobre cinema mudo ("Irma Vep") e filmes de 5h30 (“Carlos, o Chacal”), o cineasta já conquistou o respeito necessário graças ao seu bom trabalho.

Assim, é uma pena que “Wasp Network”, novo filme do diretor, que conta com Edgar Ramirez, Wagner Moura, Gael Garcia Bernal, Leonardo Sbaraglia, Penélope Cruz e Ana de Armas, seja um filme tão confuso e que é salvo pelo elenco excelente que faz milagre durante as duas horas de projeção.

16.10.19

Crítica: Cicatrizes

Crítica: Cicatrizes
Cicatrizes
Imagem: DIVULGAÇÃO
As características do cinema do leste europeu são perfeitas para um filme como “Cicatrizes”. A obra dirigida por Miroslav Terzic e escrita por Elma Tataragic conta uma história real a partir de uma ficção, a do desaparecimento de crianças pelos mais diversos motivos.

No caso de Ana (Snezana Bogdanovic), seu filho foi dado como morto logo após o nascimento. Ela acredita que o menino, que batizou de Stefan, ainda está vivo e o procura por 18 anos, mesmo que seu marido Jovan (Marko Bacovic) e sua filha Ivana (Jovana Stokjiljkovic) sejam contra isso. Após encontrar uma pista, a investigação de Ana ganha novos patamares.

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger