9.5.16

Crítica: Valsa com Bashir

Valsa com Bashir


Filme-documentário de 2008 que conta a história do próprio diretor Ari Folman quando este em uma mesa de bar conversando com um amigo sobre um sonho e após ligar esse sonho com a guerra do Líbano do qual ambos foi participantes Folman descobre que não se lembra de absolutamente nada sobre esse período e decide ir atrás de amigos que estavam com ele para saber o que ocorreu.

O que chama a atenção nisso? O filme é uma animação.





E mesmo sendo uma animação é um filme extremamente triste que mostra como a primeira guerra do Líbano provou que a humanidade pode ser extremamente horrível e a sequencia final de cenas que envolvem o massacre de Sabra e Shatila ocorrido em 15 e 16 de setembro de 1982 é arrebatadora e fecha o filme de forma mais pesada do que ele começou.

Caso não tivesse sido rodado como animação a obra iria um filme chamado “Vá e Veja” de 1982 dirigido por Elem Klimov e que mostra os horrores da segunda guerra. O recente "O Filho de Saul" também faz parte dessas obras arrebatadoras, cruas e que mostram fielmente o que aconteceu em determinados momentos históricos.

É uma bela obra e muito importante historicamente, pois mostra os horrores de uma guerra que talvez muito por ai não conheçam, e apesar de ser triste é necessário conhecer a história do mundo em que vivemos. Principalmente no atual momento politico pelo qual o Brasil passa, quanto mais conhecermos sobre historia melhor é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário