24.2.17

Crítica: A Qualquer Custo

A Qualquer Custo


A maioria dos filmes do gênero policial segue uma formula que é: um policial bom que tem que investigar algum crime e seus suspeitos, e esses suspeitos são pessoas que cometem esses crimes apenas por cometer, sem nenhuma motivação ou ideologia por trás, no final, o policial captura o/os bandido/ bandidos. Porém, não é o caso nesse “A Qualquer Custo” dirigido por David Mackenzie.

O filme conta a história de dois irmãos – Ben Foster e Chris Pine - um deles ex-presidiário recém-libertado da prisão, que decidem roubar uma mesma franquia de bancos, com um objetivo de pagar as dividas da mãe que faleceu recentemente, dividas que são a hipoteca do rancho da família e os impostos da mulher. Por conta dos crimes, os irmãos passam a ser perseguidos por uma dupla de policiais, que é formada por Jeff Bridges e Gil Birmingham.






A ideologia dos irmãos é o que fala mais alto no filme, pois, apesar de terem personalidades completamente opostas - Tanner (Foster) é esquentado, louco e sente um certo prazer em ser assim e Toby (Pine) é calmo, inteligente e não se sente satisfeito com sua vida – ambos fazem o que fazem para pagar as dividas deixadas pela mãe, dividas que foram geradas pela crise imobiliária de 2008 da qual assim como a família retratada aqui varias outras não conseguiram se livrar. Logo, quando percebemos que os dois claramente estudaram por um bom tempo a franquia de ser banco a ser assaltada, que eles planejaram roubar justamente o necessário e o cuidado ao trocar de forma não ortodoxa, porém inteligente mostra não apenas arrependimento, mas certeza de que aquilo não é o correto, porém foi a única solução encontrada por eles em um momento de desespero.

Tudo isso fica bem claro na montagem do filme que é simples, mas eficiente, e principalmente nas ótimas atuações de Pine e Foster. Por falar em atuações, a de Jeff Bridges merece ser destacada, aqui ele compõem um policial metódico, inteligente e que parece gostar sempre de estar próximo as ocorrências que investiga, com uma voz grossa que tenta passar credibilidade e inserir respeito nas pessoas com as quais convive e que tanto como os irmãos, não parece concordar com as dividas que pessoas comuns tem e que foram geradas pela crise de 2008, dividas essas que desalojam várias famílias por todo os Estados Unidos.

Assim, “A Qualquer Custo” é um interessante estudo de personagem e estudo ideológico sobre o capitalismo, conta com ótimas atuações, um roteiro coeso e bem escrito, além de ser um filme que pode ajudar a entender as consequências que uma crise econômica gera na vida das pessoas comuns, que apenas buscam viver suas rotinas e dar um lugar para morar para os filhos e netos, como é o caso da família dos irmãos desta obra.




Nenhum comentário:

Postar um comentário