5.6.17

Crítica: A Morte de Luis XIV

A Morte de Luis XIV

No cinema, há uma grande parte do mercado reservada a contar historias de personalidades, muitas delas são de personagens da história, como é o caso aqui. “A Morte de Luis XIV” dirigido por Albert Serra, fala do período final da vida de um dos reis franceses mais conhecidos. A projeção retrata os últimos quatro dias da vida do monarca.

O filme pede ao público que saiba da história de Luis XIV de antemão, logo, por esse motivo, não funciona como obra independente, a obra não explica em nenhum momento o contexto daquele momento histórico e o que significaria a morte do rei, no caso, o começo do fim do absolutismo francês.





Tecnicamente falando, a obra é muito rica, o ponto de escuta é subjetivo na maior parte do tempo, ou seja, o público escuta a mesma coisa que os personagens, e isso é aliado a falta de trilha sonora musical. A trilha musical quando presente, é desnecessária, as cenas que a contem poderiam ter sido cortadas, tornando a projeção mais concisa. Essas reduções de cena também poderiam ocorrer em momentos quando o rei é focalizado olhando para algum lugar, sem mostrar o que está sendo olhado, pois, quando o que é mostrado não tem um objetivo, esse “o que” não precisa ser mostrado.

A fotografia é escura em todos os momentos, o que explica os figurinos de tom escuro usados por praticamente todos aqueles em cena. E essas roupas são bem feitas, além de retratar uma época, elas cooperam na fotografia, se encaixando dentro da temática do filme.

Mas, o maior ponto positivo do filme é sem dúvida seu ator principal. Jean Pierre Leaud nos oferece uma atuação dominante, carregando todo o filme. Ele consegue passar a dor que o rei sente apenas pelo olhar, parecendo suplicar sua salvação e nos deixando a entender que a única forma de ser curado é a morte.

A câmera próxima dos personagens facilita ao público a percepção do olhar e do rosto já enfraquecido do rei. O plano americano (Aquele que mostra os personagens acima dos joelhos), é dominante, o que expõe que mesmo doente, estando deitado sempre, a autoridade que o monarca exercia ainda tinha força, porque, com esse plano, aqueles que se dirigiam a Luis XIV eram sempre obrigados a se inclinar.

Logo, apesar de exigir que o público conheça a história de um dos reinados mais longos já vistos, “A Morte de Luis XIV” vale a pena por seus figurinos, fotografia e principalmente por Jean Pierre Leaud, um dos grandes atores da história do cinema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário