25.11.19

Crítica: Retrato de uma jovem em chamas

Retrato de uma jovem em chamas
Imagem: Supo Mungam Films / DIVULGAÇÃO
“Você já conheceu o amor?” diz Heloise (Adele Haenel) para Marianne (Noemie Merlant) em certo momento de “Retrato de uma jovem em chamas” e essa pergunta, assim como a luta das mulheres pela liberdade é o tema do filme dirigido e escrito por Céline Sciamma.

A história se passa no século XVIII e é simples, Marianne é uma pintora que foi contratada para pintar o retrato de Heloise, que é noiva e se casará por obrigação. Com o tempo e com o retrato sendo feito, a relação entre as duas mulheres se desenvolve e elas se apaixonam uma pela outra.

Esse retrato representa não apenas um trabalho para uma mulher, já que Sciamma e seu roteiro fazem com que ele trate diversos assuntos e são esses que enriquecem a trama, já que vemos liberdade e independência sendo exercidas pelas duas personagens centrais.

Seja pelo ponto de vista de Marianne, que é uma mulher com certa liberdade, que não tem a obrigação de casar e é pintora ou por Heloise, que tem as liberdades mais básicas cerceadas, como, por exemplo, caminhar ao ar livre, escutar música e claro, o casamento.

Talvez por isso Sciamma tenha escolhido um ritmo mais lento para a obra, que é dinâmica, mas que usa muito as tomadas longas com travellings (movimentos para o lado, trás, acima ou abaixo da personagem) pelo ponto de vista de Marianne, expondo como esta observa Heloise o tempo todo.

O que faz a câmera próxima da personagem de Haenel cumprir dois objetivos narrativos de uma vez só, o do retrato que Marianne precisa fazer e para isso a observa e claro, manter a tensão existente entre as duas sempre ativa, de forma a fazer o público ficar imerso naquele relacionamento.

Esses pontos são potencializados devido a fotografia em luz natural, tornando o filme realista e os sons serem exclusivamente os presentes no ambiente onde a história se passa, o que faz com que o filme dependa muito das atuações de Merlant e Haenel e isso não é um problema, já que as duas estão excelentes no seu trabalho e as atuações se completam de forma efetiva.

Assim como o amor e a liberdade das duas, como fica ainda mais claro na segunda hora de filme, já que é nessa hora que Sciamma quebra os padrões que criou para manter a tensão viva e latente, seja por ambas as personagens mudarem ou por elas se aproximarem dentro das liberdades que são suas por direito.

Todo o filme é sobre liberdade e sobre a intensidade que os sentimentos, sejam eles quais forem podem adquirir com o passar do tempo e isso fica claro desde o começo do filme, pelo tom vermelho do vestido de Marianne, indicando paixão, amor e fome de algo, independente do que seja.

E pensar que o amor delas é muito parecido com aquele de Orfeu e Eurídice no conto da mitologia grega, inclusive discutido pelas personagens em certo momento da obra, o que leva o público a pensar se algum dia uma delas será o Orfeu da relação e virará para olhar Eurídice pela última vez.

No caso do filme, o que importa é viver algo e escolher o que e como viver esse algo. A intensidade dos sentimentos é mais importante que a duração da existência deles e as chamas do título podem representar isso, assim como o retrato propriamente dito e a liberdade que anseiam.

Pois elas sabem que é melhor algo ser intenso e existir do que não existir de nenhuma maneira e que não importa quem será o Orfeu da relação (se houver algum), mas sim que teve uma relação e que essa começou com um retrato de uma jovem que desejava viver e cujas chamas são mais internas do que externas.

É isso que faz “Retrato de uma jovem em chamas” um filme tão bonito, porque o que importa é a existência de algo e a liberdade de se ter esse algo mesmo se passando em uma época que parece nunca ter acabado. As chamas são mais importantes do que o que elas podem iluminar. E só vendo o filme isso de fato ficará claro.

Garanto que não é uma tarefa difícil assistir ao, até aqui, melhor trabalho de uma das grandes diretoras da atualidade.

Veja o trailer aqui: 

Um comentário:

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger