4.10.21

Crítica - Nashville Film Festival 2021: Ludi

Ludi
Imagem: DIVULGAÇÃO


Texto que faz parte da cobertura da edição 2021 do Festival de cinema de Nashville

This critic is part of Nashville Film Festival 2021 coverage

O capitalismo nos força a trabalhar cada vez mais, sem levar em conta o descanso e a saúde mental. Quando se é obrigado a fazer isso para sobreviver, acabamos nos esquecendo daquilo que importa, mesmo que trabalhemos também para dar as pessoas que amamos coisas importantes para elas.

Em situações como a de Ludi, personagem que dá título para o filme dirigido por Edson Jean, essa obrigação criada pelo capitalismo é ainda maior, pois ela é uma imigrante haitiana que precisa sustentar sua família na terra natal. Para isso, todo o dinheiro que ela ganha em seu trabalho como enfermeira, é mandado para eles. Assim, quando surge a oportunidade de ganhar um dinheirinho a mais cuidando de um paciente fora do hospital onde ela trabalha, ela aceita, mesmo sabendo que isso vai contra as normas da instituição.

Se ela aceita, é porque ela não recebe o necessário no hospital onde trabalha, o que além de gerar um debate sobre a má remuneração, também faz com que o público (no caso o brasileiro) reflita como o nosso sistema de saúde é algo do qual temos que ter orgulho, pois graças a ele e a leis trabalhistas do nosso país, os profissionais como Ludi não precisam fazer o que ela faz.

Porque ela sabe que está descumprindo as regras impostas pelo seu trabalho nos EUA, mas, a necessidade fala mais alto e uma grana a mais é sempre algo bom (como ela mesma fala em um dialogo), assim, ela faz o que ela julga que precisa fazer, mesmo que isso tenha um custo alto, como a falta de descanso, de lazer e de saúde mental, além de ter que aguentar as pessoas falando para ela se casar, apenas para citar um exemplo de coisas que ela escuta durante o filme.

Além de um acréscimo muito importante, o fato dela ser mulher com certeza influencia em como ela é tratada pela sociedade, vemos isso em uma série de situações dentro do filme, a cena do motorista de ônibus por exemplo, a oração que uma companheira de trabalho faz para ela, o assédio moral de Evans (também enfermeiro) e várias outras.

Junta-se todos esses pontos e isso aumenta a necessidade do trabalho, pois o poder aquisitivo é uma forma de “se livrar” de vários assédios impostos pela sociedade. Claro que o sistema não vai deixar Ludi sair dessa, o excesso de trabalho, como a própria reconhece em vários momentos, não a levam para lugar nenhum, a não ser para uma tristeza que não parece ter cura e a erros que custam muito caro para todos.

Ver esse filme após as eleições norte-americanas de 2021 pode fazer com que o espectador pense que esse tipo de situação acabou, talvez por querer acreditar nisso, talvez por uma mulher ser a atual vice-presidente do país em questão. Porém, além de não ter acabado para ninguém, Ludi é haitiana e esse é um recorte importante a ser feito quando se analisa a situação, se é difícil para o estadunidense, para o imigrante é muito mais complicado e para Ludi, mulher negra, é mais complicado, porque o estadunidense sempre vai se importar com ele em primeiro lugar.

Felizmente, filmes como “Ludi” podem fazer as pessoas entenderem como é importante pensar em seu próprio país e reconhecer as coisas boas que tem nele, de maneira a não cair na falácia que os Estados Unidos são os países que os sonhos se realizam. Se eles realizam é para aqueles que tem dinheiro, para as outras pessoas, principalmente negros, latinos e imigrantes, essa terra é o local onde os sonhos costumam acabar.

Texto que faz parte da cobertura da edição 2021 do Festival de cinema de Nashville

This critic is part of Nashville Film Festival 2021 coverage

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger