27.1.22

IFFR 2022: The Island

The Island
Imagem: DIVULGAÇÃO


Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Rotterdam

This critic is part of IFFR 2022 coverage

Em vários momentos de “The Island”, dirigido por Anca Damian, eu pensei que o Robinson Crusoé da diretora estivesse alucinando. Isso não é ruim, é uma possibilidade concreta dentro de todo o surrealismo utilizado na obra, que é uma das várias adaptações do livro para o audiovisual e a primeira – pelo menos a primeira que eu vi – que é uma animação.

Talvez ser uma animação seja a principal motivação para a maneira que a diretora aborda sua história e sua adaptação. Ao acompanharmos Robinson e sua vida na ilha, vemos que as coisas mantidas da história clássica, como o diário (é um livro escrito em formato de diário) e a invasão de outras pessoas é bem útil para a mensagem de que tudo é adaptável mesmo quando já foi adaptado anteriormente.

No caso, os invasores da ilha são refugiados e isso demonstra como é importante trazer histórias clássicas para o contexto político atual. Claro, por mais que a adaptação seja funcional e o surrealismo seja divertido de assistir e escutar (muitas cenas do filme são musicadas), pode ser que a estrutura canse um pouco.

Isso se dá devido ao excesso de surrealismo, o que leva o público ao lado bom já abordado de pensar que aquilo é uma alucinação do protagonista devido a solidão, ao mesmo tempo em que o lado ruim, a dúvida nunca esclarecida de ser ou não ser uma alucinação, pode tirar um pouco o espectador da obra.

Mas, o uso da animação como ferramenta é ótimo, principalmente porque não há medo de ousar e entende como não é necessário se manter fiel ao material que adaptou e muito menos fiel a uma maneira realista de abordar uma história de ficção. Cinema é mentira afinal de contas, assim como boa parte (senão todas) as formas de arte também são.

Anca Damian faz um bom trabalho nesse filme, que com certeza vai entreter o espectador por muitos momentos. Por mais que o excesso canse um pouco, não tenho nada contra um cinema que se assume como mentira e o principal mérito de “The Island” é esse, não ligar para esse realismo que parece ter dominado o cinema nos últimos anos.

Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Rotterdam

This critic is part of IFFR 2022 coverage

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger