29.1.22

IFFR 2022: Medusa

Medusa
Imagem: DIVULGAÇÃO

Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Rotterdam

This critic is part of IFFR 2022 coverage

Em dado momento de “Medusa”, Mari – protagonista do filme, interpretada por Mariana Oliveira – grita alto, bem alto, por mais que dizer isso seja redundante. Esse grito representa uma espécie de liberdade, de se soltar dos questionamentos e das imposições enfrentadas por ela, cujo limite chegou a um ponto insuportável.

A Medusa da mitologia grega também chegou a esse limite de desejo, até Atena, deusa da sabedoria, a transforma na criatura conhecida pela maioria de nós. A adaptação do mito, dirigido por Anita Rocha da Silveira, é sobre o descontrole causado pelo desejo de ser o que é, mesmo que isso ainda esteja para ser descoberto. Mari é uma jovem adulta, extremamente religiosa, que exprime isso em sua vida na igreja. em casa e durante a noite “convertendo” jovens adultas em mulheres de fé. Até seu desejo por saber o que aconteceu com uma mulher desaparecida, a leva em uma jornada de autodescoberta.

Essa jornada é cheia de altos e baixos, construída pela diretora de maneira a ficarmos tão envolvidos com sua protagonista, que também ficamos confusos e com aquele desejo de autodescoberta, independente da idade, aquele ímpeto de conhecer coisas novas, mesmo sem saber exatamente o que se quer.

Ou seja, descontrole. A obra leva o espectador a um nível de descontrole que em vários momentos, incluído e se adaptando aquele mundo completamente dominado pelo fundamentalismo religioso, vemos como nós vivemos em uma sociedade completamente descontrolada, onde os nossos desejos são completamente colocados de lado em prol de algo maior e não importante para nós.

No caso de Mari, ela carrega em si a vontade de ser livre e de não viver em um ambiente de amarras, onde ela é demitida devido a um corte no rosto ou onde ela não é reconhecida por ter salvado uma vida (mesmo que, convenhamos, essa vida não merecesse ser salva). Ela tem em si o tempo inteiro a vontade de gritar, de acabar com tudo aquilo com as próprias mãos e a vemos descobrindo isso a cada momento.

A descoberta é envolvente devido a atuação de Mariana Oliveira, que traz em sua personagem a complexidade desejada (imagino) pela diretora. A curiosidade, natural dos jovens, está o tempo inteiro no trabalho da atriz. Quando ela sente vontade de gritar, o espectador é levado a sentir essa mesma vontade.

Da mesma maneira que a proximidade do filme com vários momentos sociais, inclusive o atual, além de ser assustadora, é surreal. O que me levou a um certo alívio. É bom achar tudo aquilo surreal, é bom ter medo do terror e do fanatismo presentes na obra, justamente para nós percebermos que não estamos dormentes, para percebermos que ainda temos em nós a vontade de transformar a cidade em poeira (Cities of dust na abertura do filme é lindíssimo), de tanto desejo de algo melhor que temos dentro de nós.

Desejo que a Medusa da mitologia grega também carrega, as serpentes que Mari vê nos muros da cidade e a presença da personagem de Bruna Linzmeyer em alguns momentos, nos remete a isso e claro, a personagem de Lara Tremouroux nos lembra o sofrimento causado pelo desejo reprimido através do sexismo.

A obra de Anita Rocha da Silveira é trabalhada nessa ideia de descoberta, tanto os curtas e o longa “Mate-me por favor”, falam sobre juventude e sobre desejo. Se Atena transformou Medusa em uma criatura horrenda no mito, Anita transforma suas personagens em mulheres com o desejo perpetuo de algo mais e isso por si só, deveria dar vontade ao espectador de ter desejos e sair gritando-os por aí.

Assim como Mari faz. 

Texto que faz parte da cobertura da edição 2022 do Festival de cinema de Rotterdam

This critic is part of IFFR 2022 coverage

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger