12.11.18

Crítica: Sueño Florianópolis

Sueño Florianopólis
Imagem: VITRINE FILMES / DIVULGAÇÃO
A ideia contida dentro de “Sueño Florianópolis” não é ruim, e é raro ver ideias tão boas dentro de um filme, já que a proposta é contar uma história que mostra os mais velhos, mais ou menos na faixa dos 60 anos, vivendo a vida, aproveitando na medida de possível, com liberdades de todo tipo, ao contrário de muitos filmes existentes.

Como já diria Rogerinho do Ingá, “O idoso usa um tênis, faz amor, fuma um cigarro e limpa a piscina”, ou seja, vive de fato. A diretora Ana Katz, mostra justamente isso em “Sueño Florianópolis”, que conta a história de um casal argentino de psicanalistas, Pedro (Gustavo Garzón) e Lucrecia (Mercedes Morán), estão em uma viagem de férias com os filhos para Florianópolis. Na cidade, eles alugaram a casa de Marco (Marco Ricca), que mora com Larissa (Andréa Beltrão) e o filho Cesar (Caio Horowicz). Ambos os casais estão em processo de separação, uma que é saudável, já que ainda se dão bem.

Pelas nacionalidades distintas, já que se trata de um casal argentino e um brasileiro, o melhor ponto do filme é como essa mescla de costumes é ligada com a liberdade que as pessoas desfrutam, fazendo coisas que comumente (e infelizmente) só vemos jovens fazendo, como aproveitar a noite em um bar ou na praia, se embriagar e se envolver amorosamente.

Mesmo que essas coisas estejam ligadas com a saudade que sentem da juventude, sentimento cada vez mais normal na medida em que envelhecemos, é bacana ver como eles tentam se reencontrar e se redescobrir nas circunstancias atuais, tanto financeiras, como de idade.

Ainda assim, com toda essa liberdade quase inédita em personagens no cinema, o filme não foge da previsibilidade de uma trama que busca não ter clichês, mas que não apresenta nada fora do comum no que diz respeito a técnica, principalmente no roteiro, nos cortes e nos movimentos de câmera.

Os cortes são secos, apenas para dar ritmo e trabalhar a noção de campo – contracampo, os movimentos de câmera quase não existem, mesmo que a paisagem possibilite que muitos sejam realizados, o roteiro é previsível e a história é facilmente decifrável logo no início, sabemos o que vai acontecer com cada um dos personagens muito tempo antes de se dar o fato e as atuações, mesmo com um elenco talentoso e veterano, são convencionais, sem fugir muito do que deve ser feito dentro de um filme com tal temática.

Assim, é claro que “Sueño Florianópolis” cumpre o que foi proposto por sua diretora, roteirista e produtora Ana Katz, porém, o espectador poder deduzir tudo o que vai acontecer de forma muito rápida, prejudica a obra que tem muitos bons momentos, mostrando que é possível aproveitar a vida, independente da idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger