28.1.19

Crítica: Primeiro Homem

Primeiro Homem
Imagem: DIVULGAÇÃO

É inegável, mesmo que eu não goste muito de “La La Land” (entendo que seja um filme competente, que fique bem claro), que Damien Chazelle é um diretor talentoso e possivelmente um dos mais talentosos de sua geração. Ainda jovem, ele já provou com seu trabalho que veio para ficar e se estabeleceu rapidamente na indústria.

Logo, é com tristeza que vejo “O Primeiro Homem” como o seu pior filme até aqui, já que, mesmo com suas qualidades a serem discutidas a seguir, é uma projeção sem ritmo, ufanista ao extremo (de maneira sutil, mas ainda assim exagerada) e muito longo pela proposta que apresenta.

Escrito por Josh Singer e James R. Hansen, a obra conta a história de Neil Armstrong (Ryan Gosling), um engenheiro aeroespacial e astronauta. Sendo um filme biográfico, acompanhamos a trajetória até o feito pelo qual ele ficou conhecido, o pouso na lua em 1969, nesse caminho, vemos como sua mulher, Janet Armstrong (Claire Foy), e seus filhos lidam com as idas e vindas de Neil devido a suas missões.

Fica claro que todo o filme, com suas 2h30 de duração, é feito todo em detrimento da cena do pouso na lua, logo, as cenas são dedicadas a preparar o espectador para o pouso em questão, por isso os cortes secos bruscos, a câmera próxima do personagem e a falta de atenção a vida pessoal de Armstrong.

Devido ao abandono da vida pessoal e rotineira, Claire Foy é esquecida pelo roteiro e quase nunca a vemos, assim como boa parte do elenco cheio de rostos conhecidos, que aparecem por pouquíssimo tempo, já que Gosling toma toda a tela para si devido a preparação para a cena citada.

Com esses cortes secos, bruscos e exagerados, o filme sobrecarrega o público de informação, usando passagens de tempo rápidas que deixa o espectador perdido sobre quantos anos se passaram até que Armstrong conseguisse, finalmente, cumprir seu objetivo de ser o primeiro a pousar na lua.

Ainda assim, com o mal aproveitamento do elenco e com uma montagem que foi a opção errada para a proposta que o filme apresenta, é notável como a fotografia é bem feita, principalmente nas cenas dos testes realizados por Armstrong antes das missões e a câmera de Chazelle é inteligente ao usar, em certos pontos dos testes e do pouso na lua, o ponto de vista subjetivo, fazendo com que o espectador perceba o risco do trabalho de Armstrong e aumentando a tensão nos momentos certos dos testes.

O maior exemplo disso é o momento do pouso, onde Chazelle usa o ponto de vista subjetivo durante quase toda a cena e mesmo que o público saiba que a missão foi um sucesso, a tensão é presente graças a essa subjetividade muito bem encaixada pelo diretor. Junto a isso, a cena em questão tem os quadros mais bonitos do filme, sejam aqueles criados pelo reflexo do capacete do astronauta ou aqueles em que vemos a lua e o pouso bem-sucedido.

Portanto, o talento ainda reside em Chazelle, porém ele não foi totalmente utilizado em “Primeiro Homem” devido ao mal aproveitamento do roteiro, montagem não efetiva e duração exagerada.

Saudades “Whiplash”!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger