27.10.21

Mostra 2021: Ahed's Knee

Ahed's Knee
Imagem: DIVULGAÇÃO
Em dado momento de “Ahed’s Knee”, vemos como a felicidade de Y, personagem principal do novo filme de Nadav Lapid nunca está no presente, sempre está no passado, da mesma maneira que as situações apresentadas a ele nunca são exatamente boas, seja devido a ele mesmo ou pelas pessoas ao seu redor.

Único motivo que temos para isso é a pressão sofrida pelo personagem na sua profissão. Y é um diretor de filmes, que foi a uma cidade pequena em Israel para um debate pós exibição de seu novo trabalho. Nessa viagem – que acompanhamos por 1h50 – vemos a trajetória do diretor em busca de felicidade e alívio, em meio as dúvidas que envolvem o seu trabalho e a situação política do país.

Talvez isso seja metalinguístico, não posso afirmar, claro, mas imagino que todo realizador sinta muita pressão quando está fazendo um filme, no caso de Y, essa pressão é latente e exageradamente expressiva, já existente há um tempo como o próprio personagem diz, devido ao seu período no serviço militar.

Mesmo a pressão estando claramente ali, vemos algo verborrágico, que fala demais sobre tudo e todos, mas não desenvolve pensamento algum. O espectador recebe um personagem principal vazio, que sempre diz muito, mesmo sem ter nada de relevante a dizer e consciente de que o silêncio é a melhor alternativa e insiste em expressar algo que ninguém sabe o que é, nem ele.

Isso se reflete em uma câmera de movimentos rápidos e desorganizados, assim como o protagonista, que não dá nada ao filme a não ser uma impressão dele estar perdendo o ar a todo momento. As ideias inspiram, soltam o ar de maneira ofegante e assim sucessivamente, em meio a uma paisagem desértica e a conversas do protagonista com a organizadora da exibição e com outros personagens ligados a seu trabalho.

Esses personagens, nos quais a felicidade citada no primeiro paragrafo está contida, são menos vazios que o protagonista, mas também verborrágicos, mesmo que ofereçam pontos de vista diferentes para uma obra sem ideias, nunca vemos a ideia de pressão inicialmente apresentada, de felicidade efêmera (também apresentada no inicio), sendo desenvolvida de fato, o que vemos é uma série de diálogos que não vão para lugar nenhum.

Assim como em “Sinônimos”, onde vemos um personagem buscando se encontrar em um novo país, sem ter nenhum conhecimento do idioma desse local, “Ahed’s Knee” é um filme que não parece ter conhecimento do poder que concentra. O ponto de partida, político e filosófico da obra de Lapid é interessante, mas fica difícil se envolver na obra ou sentir algo quando o que vemos é um protagonista pedante, que escolhe de livre e espontânea vontade colocar a própria pressão em cima dos outros, ao invés de lidar (ou não) com isso por conta própria ou ser humilde o suficiente para pedir ajuda.

O sentimento descrito acima e o fato de nenhuma das ideias ter sido desenvolvida, faz de “Ahed’s knee” um filme sem sal em meio a uma história com atrativos, mas que perde o folego a todo momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2016 Assim falou Victor , Blogger